22 de setembro de 2006

O Perfume de Beatriz - final do conto

No dia seguinte começou a primavera e também a nova vida de Beatriz. A casa era linda, uma espécie de palácio medieval. Paredes de pedra, tapetes persa. Candelabros iluminando seu caminho e Dante sempre por perto.
Pouco a pouco as cores foram voltando aos olhos de Beatriz. O mundo cinza lá de fora foi desaparecendo até diluir por completo em meio às cores do paraíso.
Dante, eufórico com sua Vitória, saiu correndo para contar ao amigo. Ao voltar, procurou Beatriz e percebeu que o perfume havia sumido. Ela estava chorando num canto escuro.
Por onde andou e porque me deixou, ela queria saber. Você não entende que minha visão agora depende de você? As cores voltaram para minha vida, mas meus sonhos sumiram. Todas as noites tenho medo de fechar os olhos, pois só existe o que vejo, nada mais me espera. Esqueci do mundo lá fora, meu mundo agora é você.
E neste mesmo instante foi que um arrepio visceral cegou Dante por completo.
Ele tentou abrir os olhos, mas pareciam presos, ressecados.Fugiu para fora da casa. Ainda ouvia os soluços de Beatriz quando chegou ao rio.Abriu os olhos e correu de volta para seu mundo...

4 comentários:

jeferson disse...

que triste, na primeira parte achei que o dr. estava "apaixonado" por ela. Podemos concluir que nada é mais assustador do que o compromisso... rsrsrsrsrs
obs esse conto foi melhor escrito do que muitos do Rubem Fonseca... (serio). abração

Márcio Pimenta disse...

Você escreve muito bem! Como agora sei que você veio de 100 anos de solidão, acredito que já leu Viver para Contar. Se não leu saia imediatamente até a próxima livraria e adquira. :)

Beijos e parabéns pelo texto.

Aninha disse...

Olá!!!! muito bom o seu texto!!! bem bacana mesmo!!! parabéns!!

juliana disse...

Lindooooooo...cores, encantos, pessoas, momentos, certezas, desilusões..vida!