4 de novembro de 2010

Tête-a-Tête

Mas e ai o que você quer então? Mulheres são tão complicadas. São? Eu não. Sei exatamente o que quero. Sei exatamente o que não quero. Quero o que me faz sentir alegria verdadeira, aquela alegria que enche o coração e a alma. Algumas coisas provocam esta deliciosa reação em mim.


Vieiras no jantar. Panquecas no café da manhã. Esportes com amigos. O sorriso do meu filho e uma conversa onde o tempo é malandro, nos engana. Para comer vieras vou ao Naga café. Panquecas faço em casa, esporte basta abrir os e-mails e responder que sim, estarei esperando no posto da marginal para a próxima trilha. O sorriso do meu filho para minha eterna sorte tenho quase todo dia.


Só falta mesmo a tal conversa. Aquela onde a mesa entre nós vai ficando enorme. A garrafa de vinho vazia e os assuntos infinitos. Infinito? Sim, aquele que nunca acaba. Como naquele filme, não é? Isso mesmo, aquele do diretor que gosta de Fellini que inspirou o musical que me fez lembrar aquela cidade como é mesmo o nome? Isso, Parma. Meu presunto preferido. Se bem que tem também o San Danielle. Hum, verdade. Mas você já provou presunto com figo ao invés de melão? Isso daria um belo jantar? Se cozinho? Adoro! Da até para fazer um banquete de tanta idéia. E o banquete de Babete? Pois é eu também acho que foi mal traduzido, como a festa de Babete.


O restaurante vai ficando vazio. O garçom parece, e está mesmo, sempre interrompendo um momento muito especial. Precisam de mais alguma coisa? Não precisamos de nada, obrigada. Mas… Pode trazer mais uma garrafa de vinho. Quem sabe ganhamos mais tempo.


Tempo. "A vida ja é curta e nós a encurtamos ainda mais desperdiçando o tempo" Quem foi que disse mesmo? Vitor Hugo! Isso mesmo, é dele também aquela. "Mais facilmente se julgaria um homem segundo seus sonhos do que os seus pensamentos". Ah os Franceses. Não sei não, acho que as vezes eles acabam indo longe demais com sua mania de liberdade, veja o caso da Simone e do Sartre. Você acha? Acho. Não sei se ela era feliz, as vezes sinto que acreditava mais nas idéias dele que nas dela, embora fosse também genial. Li sua biografia e achei que sofreu bastante com a liberdade que aceitou. Pode ser, mas será que esta não era sua verdadeira felicidade? Existem pessoas que precisam desta busca, deste desafio. Você tem que ler Tête-a-Tête.


Tête-a-Tête. Acho que é isso.


2 comentários:

Angela Senra disse...

Adorei, que texto lindo. Vamos comer presunto com figo?
Saudade já.
Beijão

Danita Cotrim disse...

Gi, gostei muito. Você está cada vez mais inteira nos seus textos. Gostei bastante do filme também. Trabalho no intestino do dragão, nos motorrs da internet. É uma loucura entender como tudo isso se movimenta e onde será que vai parar?