19 de setembro de 2006

Coexistence

Minhas manhãs estão mais reflexivas. O parque do Ibirapuera, companheiro matinal desta paulistana que adora correr bem cedinho, ficou ainda melhor. No meio da volta de 3 km, está montada uma exposição cheia de surpresas sobre um tema muito interessante e atual. Coexistência!
Normalmente, durante a corrida escuto mais musicas do que meus pensamentos, uso esta hora para descansar os neurônios e esperar que a inspiração caia do céu (de vez em quando ela cai mesmo).
Nas últimas semanas, porém, tudo mudou.
O i-pod fica descansando no carro e a cabeça vai correr comigo.
A cada volta presto atenção a uma foto diferente. Mas o que mais chama minha intenção é esta palavra COEXISTENCIA, raridade.
Para coexistir, primeiro é preciso efetivamente existir (Filos dasein - modo de ser determinado ou determinável P. ex. a existência dos objetos matemáticos que se define pela não contradição 7. modo de ser atual concreto 8 filos.modo de ser próprio do homem [Cf.existencialismo].
Existir? Será que sabemos existir realmente? Nietzsche já nos ensinava,” torna-te quem tu és”,parece fácil? Não é.
O problema é que embora uma parte de mim seja cheia de esperanças quanto ao futuro do mundo (que coisa mais blasé, parece até frase de miss na hora de se apresentar ao júri), a outra parte, a dominante, que tem uma certa simpatia pelo pessimismo de Sêneca, não acredita que seria possível a coexistência de milênios de ensinamentos antagônicos num mesmo planeta, ainda que este planeta seja azul e enorme. Se não conseguimos coexistir saudavelmente num grupo de dez pessoas, criadas segundo os mesmos costumes, como seria então possível judeus, muçulmanos, católicos, todos juntos numa pequena faixa de terra? Tem uma foto muito bonita, sobre este tema lá. Todas são interessantes.
Na primeira volta, achei linda e inspiradora. Na segunda me pareceu linda e utópica, na terceira, eu já estava mais cansada e a realidade ficou mais clara. Todas as fotos são incrivelmente criativas, nos deixa com uma certa esperança de um mudo melhor. Dá vontade correr e dizer ao mundo que somos todos iguais, brancos, pretos, amarelos.
Aos poucos o efeito da endorfina vai passando, a vida real entra num carro e se tranca ao ver o primeiro motoqueiro negro estacionar ao seu lado. Tudo volta a ser como antes e as crianças de pés no chão pedindo um trocado, voltam a ser paisagens do nosso cotidiano.
Não adianta ficar pensando o que pode ser feito pelo mundo, se queremos ver alguma coisas mudar, adivinha quem tem que fazer? Pois é? Quer mudar o mundo, faça parte dele. Para coexistir é preciso existir!


Tem uma menina que resolveu fazer o que todos nós um dia já pensamos , mas poucos concretizaram.
Ela, a Isabela é responsável por um projeto que pretende alfabetizar milhões de pessoas, para que elas tenham a escolha que nós temos hoje de ser quem somos e existir!
www.alfabetizacao.org.br

3 comentários:

astreia disse...

Ai! Que blog gostosinho!
Vc há dias passou pelo meu, mas só agora pude vir visitá-la! Sabe como é, mil viagens interplanetárias... agenda cheia (risos).
Mas amei seu blog! Desde a sua intimidade com o Olimpo lá em cima, até aqui neste post maravilhoso!
Voltarei mitas vzs. Os bons vinhos precisam ser sorvidos aos poucos, gota a gota.
Parabéns!

K. disse...

Vim te retribuir a visita. Achei teu blog interessantissimo.:)

Bebel disse...

Fantástica a frase: "para coexistir é preciso existir".
Qdo se existe, vê-se q não é tão difícil fazê-lo e precebemos q precisamos de pouco para isso, ficamos com um "sobrando" que será usado para a coexistência, naturalmente.Bárbaro!!!!